Dicas para Fisioterapia Respiratória em Bebês
Dicas para fisioterapia respiratória em bebês
16 de abril de 2020
Gêmeos morrem com diferença de 100 anos
Gêmeos morrem com diferença de 100 anos. Ambos em pandemia
27 de abril de 2020

Num desses encontros que fizemos pelo Brasil, um aprendizado compartilhado por uma mãe nos tocou muito: “mesmo sendo mãe de gêmeos e tendo duas crianças crescendo e se desenvolvendo ao mesmo tempo, sou uma mãe diferente para cada filho”, e isso ficou mais claro ainda durante a quarentena, podendo observar nossos filhos e fazer uma avaliação mais significativa das nossas atitudes e reações frente às atitudes deles.

Vocês já pensaram sobre isso? Sobre tudo o que aprendemos sendo mães de gêmeos na quarentena? Não poderíamos deixar de compartilhar com vocês os NOSSOS APRENDIZADOS durante esse período de isolamento. Este texto foi escrito com muito amor envolvido “a 6 mãos” por nós três, Elisa, Thaís e Vanessa, idealizadoras da Me Two, com base nas nossas experiências com as crianças durante os primeiros dias da quarentena.

  • Aprendi que, além da quarentena ser uma incerteza, ser mãe é uma eterna incerteza sobre estar fazendo o certo ou o errado (ou não tão certo como idealizamos). Mas aprendi, também, a dar o meu melhor a cada dia.
  • Aprendi que a conexão entre os gêmeos é algo muito especial, e pode ser ativada naturalmente, quando surge a necessidade.
  • Aprendi a ser muito criativa e até me surpreender comigo mesma.Aprendi que quanto mais organização eu tiver, mais fácil será lidar com os diversos afazeres do dia. Mesmo na quarentena a rotina é a melhor amiga da mãe de gêmeos.
  • Aprendi sobre a importância dos momentos em família a qualquer hora do dia e não apenas pela manhã e/ou noite.
  • Aprendi a usar roupas sem passar.
  • Aprendi a economizar na despensa, utilizar e combinar alimentos como nunca tinha feito antes.
  • Aprendi como dói uma saudade (dos avós, dos primos, dos nossos amigos, dos amigos dos nossos filhos, da escola, da babá, do trabalho…).
  • Aprendi que muitos dos problemas que eu tinha antes com a minha família estou tendo que resolver agora, enquanto estamos juntos e isolados (limites, horários, conversas postergadas, etc).
  • Aprendi que o que eu julgava importante antes vai pelo menos mudar de lugar na minha escala de prioridades.
  • Aprendi que pequenos prazeres na verdade são grandes prazeres.
  • Aprendi a olhar para aquilo que realmente é meu, sejam os filhos, seja nossa casa, não só coisas materiais, mas questões internas.
  • Aprendi que o tempo é diferente quando vivemos uma rotina normal e quando estamos confinados.
  • Aprendi a reutilizar: materiais, alimentos, produtos que normalmente usamos sem pensar.
  • Aprendi a não deixar um gole de água no copo, a servir apenas o que vai comer (na verdade aprendi a ensinar isso para as crianças e fazê-los valorizar).
  • Aprendi a ter mais atenção na alimentação dos meus filhos.
  • Aprendi a importância do trabalho em equipe e da colaboração.
  • Aprendi a investir na autonomia e no crescimento dos meus filhos, e realmente deixá-los fazer o que já deveriam estar fazendo, mas que por comodidade e facilidade continuava fazendo por eles.
  • Aprendi que eles são muito mais parceiros que imaginamos quando não focamos nas brigas e sim em colaboração.
  • Aprendi que não consigo e que tá tudo bem (e as vezes não tá e tudo bem também).
  • Aprendi a valorizar cada refeição em família com todos à mesa.
  • Aprendi que um dia você é mãe blogueira e no outro mãe culpada, e que tá tudo bem.
  • Aprendi que ser professora é muito legal e que amo ensinar de forma lúdica.
  • Aprendi a escutar as crianças quando não estão a fim de fazer as atividades propostas.
  • Aprendi que, às vezes, um vai estar disposto a colaborar e o outro não, então aprendi mais ainda a não comparar.
  • Aprendi que eles são nossos potenciais colaboradores e que desenvolvem essa arte com muito mais facilidade que achávamos.
  • Aprendi que nunca o nosso mantra “vai passar” fez tanto sentido.
    Enfim, aprendi durante a quarentena que ser mãe de gêmeos tem muitas “vantagens”, mas o mais significativo de toda essa “experiência” forçada e necessária é perceber que nossos filhos tem os melhores amigos sempre juntinho, que nós somos as melhores mães que podemos ser e seguimos com nosso mantra: se fomos escolhidas é porque somos capazes.

 

LEIA TAMBÉM

@@O que é ser mãe de gêmeos

@@Dicas práticas para melhorar o sono dos gêmeos na quarentena

 

Vanessa Rocha
Vanessa Rocha
Vanessa Rocha é mãe da Isabela e do Gabriel de 6 anos. Na Me Two, é responsável pela geração de conteúdo. Sempre ligada no que tem de melhor quando o assunto são os gêmeos. Formada em Farmácia, com especialização na área de oncologia, saiu do hospital onde trabalhava para se dedicar à dupla. Aos poucos, retornou para a área e hoje atua eventualmente em algumas clínicas. Sempre criativa nas brincadeiras com seus filhos e segura quando o assunto é cuidar dos gêmeos, traz ideias e inspira muitas mães.

2 Comments

  1. Sou mãe de gêmeas minhas filhas estão com oito anos ,agora está mais fácil ,mais antes foi muito duro as vezes pensava que não ia conseguir mais agente consegui ,seja forte porque Deus ele sempre estará ao teu lado, convivi sozinha com toda rotina a minha força veio de Deus ,ouça o seu coração e o melhor sempre estará por vir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *