Memórias das irmãs gêmeas que sobreviveram aos experimentos do médico nazista Mengele

premaruro gemeos recem nascido bebe pexels
Vamos ajudar na aprovação da PEC 181
21 de janeiro de 2020
Vanessa e a banda Melim
EXCLUSIVO – Entrevistamos os gêmeos da banda Melim
3 de fevereiro de 2020

As irmãs gêmeas judias Yehudit e Lea Csengeri tinham 7 anos quando foram libertadas de Auschwitz em 1945.

Elas fizeram parte dos terríveis experimentos conduzidos pelo médico alemão Josef Mengele.

Hoje estão com 82 anos e foram tema de reportagem do Haaretz na segunda-feira, marcado pelo Dia Internacional da Lembrança do Holocausto. As irmãs participaram de uma conferência sobre ética na Medicina, em Israel, onde hoje moram.

Yehudit e Lea nasceram em 1937 na Transilvânia. As fotos das gêmeas quando eram crianças estão expostas no Auschwitz-Birkenau State Museum, localizado na Polônia. Lá é possível ver também imagem da mãe das meninas, Rosalia, que tinha 28 anos na época e também sobreviveu ao Holocausto. Todos os outros familiares morreram.

As irmãs dizem que a mãe foi uma das grandes responsáveis pela sobrevivência da dupla. “Ela cuidava da gente, penteava nosso cabelo, nos dava banho na neve e ia nas nossas barracas para levar um pedaço de pão”, conta Yehudit.

Lea recordou que uma vez a mãe tentou parar Mengele de realizar um determinado experimento nas filhas e como punição tomou uma injeção que a deixou inconsciente por duas semanas. “Nossa mãe foi nossa heroína”. São raros os casos em que ambos os irmãos gêmeos tenham sobrevivido ao campo de concentração e aos testes terríveis do médico alemão.

Elas tinham medo de que apenas uma sobrevivesse na época. Os experimentos aos quais foram submetidas as deixaram com pânico de médicos até os dias atuais. Mesmo tendo passado 75 anos, elas não gostam de compartilhar detalhes do que passaram. Regularmente eram submetidas a retirada de amostras de sangue, eram medidas e pesadas, fotografadas e recebiam injeções diversas. É a neta de Lea, Shani, que investiga o assunto e revela mais sobre o contato das gêmeas com o médico nazista.

“Ele se referia a elas pelos nomes, e não pelos números – A-7057 e A-7058. Chamava de “lindas gêmeas Csengeri”.

A neta é estudante de Medicina em Israel e é assistente do pesquisador Dr. Matthew Fox, que estuda como a medicina moderna, mesmo no século 21, ainda precisa lidar com questões surgidas na época nazista.

“Muitas pessoas não sabem, mas os experimentos conduzidos por Mengele em Auschwitz faziam parte do seu pós-doutorado, orientado por um renomado expert em genética em Berlim. Ele recebia fundos de um prestigiado centro de pesquisa”, relata Fox.

Lea se casou com um veterinário, Yehudit se casou com um dentista. Os pais das gêmeas – Rosalia e Zvi – viveram a tempo de conhecer 9 netos.

As irmãs gêmeas hoje com 82 anos vivem em Israel

Leia também aqui na Me Two
@@ Twinsters: o reencontro de gêmeas separadas no nascimento
@@ Separadas no nascimento, gêmeas de 16 anos da Indonésia se encontram no Twitter
@@ Gisele Bündchen e sua biografia: tudo sobre ter uma irmã gêmea

Camila Saccomori
Camila Saccomori
Jornalista de Porto Alegre e mãe da Pietra, nascida em 2011. Desde a gravidez, passou a produzir conteúdos femininos e voltados a famílias em vídeo, foto e texto. Trabalhou por 20 anos no Grupo RBS e hoje faz conteúdos para a Me Two e projetos de maternidade pelo seu novo "filho", o canal @VamosCriar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *