O primeiro dia de aula da vida de um filho costuma ser um momento de bastante expectativa para os pais.

E, para mães e pais de gêmeos, há ainda uma preocupação adicional: os gêmeos devem estudar juntos ou separados?

Como tudo na vida, não há resposta definitiva. Porém, queremos (e muito!) falar do assunto e convidamos quem entende do tema para trazer os principais estudos na área e nos ajudar a listar os prós e contras de cada opção.

Aqui para a Me Two, a pesquisadora Isabella Franca Ferreira, mestranda em Psicologia Experimental pela faculdade de Psicologia da USP, traz abordagens realizadas em outros países acerca da separação de gêmeos em sala de aula e, ao fim, tem um convite para as mães de gêmeos do Brasil participarem de um estudo sobre o tema.

Por que separar e por que manter junto?

De forma geral, relata Isabella, acredita-se que a separação estimularia a individualidade e independência (conforme este artigo da Austrália), ao passo que manter os gêmeos na mesma sala de aula evitaria a angústia da separação e possíveis problemas emocionais (conforme outro artigo internacional). Entretanto, ainda há poucos estudos definitivos realizados para avaliar se, de fato, a separação é necessariamente melhor ou pior para os gêmeos. As necessidades individuais de cada par de irmãos deverão ser consideradas pelos orientadores educacionais, psicólogos e pelas famílias na hora da tomada de decisões sobre a entrada na escola.

gemeas na escola

Um “contra” aqui para a separação na idade escolar

Um estudo no Reino Unido em 2004 mostrou que gêmeos que são separados aos 5 anos (logo ao ingressarem na escola) apresentaram mais problemas internalizantes (isolamento, ansiedade e depressão) quando comparados aos que não foram separados nesta idade. No caso dos gêmeos idênticos (monozigóticos), esses problemas ainda continuavam presentes após 18 meses da separação inicial. E mais: os gêmeos idênticos que estudavam juntos aos cinco anos e foram separados posteriormente tinham menores habilidades de leitura quando comparados ao grupo que estudou sempre junto. Não houve diferenças, segundo o mesmo estudo britânico, entre os grupos em relação a agressividade, transtorno do déficit de atenção com hiperatividade e comportamentos pró-sociais.

No entanto, a situação não se repetiu em outro estudo

Esta pesquisa britânica detalhada acima foi replicada na Holanda e não obteve o mesmo resultado. As diferenças entre os grupos frente aos problemas internalizantes não eram tão grandes e não continuavam a longo prazo. Além disso, não houve diferenças quanto à habilidade de leitura. Portanto, os resultados não podem ser generalizados para qualquer população e mais pesquisas necessitam ser realizadas. Por isto, até o presente momento, a recomendação dos pesquisadores é que a decisão seja feita avaliando-se cada caso, cada relação e em conjunto entre os responsáveis, a escola e, quando possível, com os gêmeos.

Na teoria é bonito, mas e isso funciona na prática?

O problema é que este trabalho em conjunto entre famílias e escola dificilmente ocorre. Uma pesquisa australiana verificou que 10% dos professores da amostra relataram ser conduta oficial das escolas em que trabalhavam separar todos os gêmeos, sem exceção. Além disso, 30% dos pais relataram que eles não foram consultados pela escola e um adicional de 40% dos pais se sentiram inadequadamente consultados.

E no Brasil, enquanto isso?

As pesquisas sobre o tema são raras e ainda não há nenhuma que verifique as condutas das escolas brasileiras, nem a opinião dos responsáveis, educadores e das crianças. Entendendo a importância deste tema, o Painel USP de Gêmeos está com um projeto em andamento que objetiva reunir opiniões de mães, pais e educadores de gêmeos em início de escolarização (de 3 a 10 anos), em relação a separar os irmãos em classes diferentes ou mantê-los na mesma classe, e as razões para isto. Também buscamos entender de que modo o tipo de relação entre os filhos influencia na decisão dos pais frente a esta questão.

Acesse www.paineluspdegemeos.com.br e relate para a gente sua experiência!

painel usp de gêmeos

Leia também
## TER GÊMEOS É HEREDITÁRIO? PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O ASSUNTO
## PSICANALISTA REFLETE SOBRE A INDIVIDUAÇÃO DOS IRMÃOS GÊMEOS