MÃE DE 5 FILHOS, A EMPRESÁRIA CRISTINA RYFF CONTA COMO SE TORNOU MÃE DE TRIGÊMEOS AOS 40 ANOS E COMO ADMINISTRA SUA GRANDE FAMÍLIA

 

Tatiana Lemos

A empresária Cristina Ryff já tinha dois filhos do primeiro casamento quando se apaixonou pelo atual marido, Fabiano Carpegiani. Após 10 anos divorciada e com os filhos Marina (18) e Rodolfo (15) “criados”, ela jamais pensou que teria mais filhos.
“Mas aí a gente se apaixona, e o amor da tua vida não tem filhos, sonha em ter filhos, mas não podia pelos métodos naturais”, conta ela. E foi assim que, os 40 anos, ela embarcou no sonho de ser mãe novamente. A saída foi partir para uma fertilização.

Assista ao vídeo que a Cristina conta um pouco mais sobre os desafios e as delícias da vida com trigêmeos!

O casal sonhava em ter gêmeos e sabia da possibilidade de uma gestação múltipla desde o início. A primeira tentativa falhou. Após a frustração, uma nova tentativa. Para aumentar as chances de sucesso, desta vez, a Cris pediu ao médico que colocasse três embriões. Deu certo. Na primeira ultrassonografia, dois coraçõezinhos batiam ali e o sonho dos gêmeos estava se realizando.

A surpresa veio na segunda consulta: não eram dois, e sim três! A explicação é que, após perder um dos embriões, um dos óvulos se dividiu, gerando mais um bebê, gêmeo univitelino de um dos embriões.

Num primeiro momento, a notícia foi um choque. “Eu não conseguia parar de chorar uma semana”, conta Cristina. Era difícil saber se o choro era de nervosismo ou felicidade. Mas, aos poucos, a futura mãe de cinco foi se acalmando e curtindo a ideia dos trigêmeos, com muito apoio do marido, que se sentia presenteado por Deus.

Recebendo trigêmeos:

Foram muitas as mudanças na casa e na vida da família para receber os trigêmeos. O carro precisou ser trocado por um maior, que comportasse sete pessoas mais os carrinhos dos bebês. Além disso, o apartamento também precisou de reformas e adaptações. O casal comprou o apartamento vizinho, ampliou o número de quartos e criou um “espaço kids”, com toda a estrutura para os bebês.

Durante os sete meses de gestação em que precisou ficar de cama, Cristina buscou informações sobre trigêmeos na internet e em livros. Mas encontrou dificuldades. “É muito difícil, porque não tem muita literatura, não tem pessoas especializadas ou médicos que ensinem como fazer”. A experiência de outras mães, compartilhada em blogs e redes sociais, foi de grande ajuda.

 

Correu tudo bem e, hoje, Lucas, Pedro e Júlia estão com dois anos e cinco meses. Uma das maiores dificuldades da mãe é conseguir ajuda profissional. Algumas profissionais  acabam não ficando por muito tempo, já que a rotina é cheia de desafios. Cristina se divide entre a família e o trabalho – Ela é empresária da moda e tem uma loja multimarcas.

Lucas, Júlia e Pedro.

“Uma coisa que eu percebi é que famílias com menos condições se mobilizam mais para ajudar. As avós, os tios, padrinhos se sentem mais comprometidos, porque sabem o quanto a gente precisa e passa dificuldade com gêmeos e trigêmeos”, desabafa.

Cuidar de três bebês também é mais difícil aos 42 anos, diz Cristina, que tem duas hérnias de disco e não conta com a mesma energia de quando teve os primeiros filhos. São cinco profissionais que se revezam na ajuda com os trigêmeos e a casa, em turnos diferentes – número que eles tentam reduzir, mas não conseguem. “Se a gente diminui, a que fica vai embora, porque não dá conta. Só quem aguenta o excesso de trabalho é pai e mãe, sai todo mundo correndo”, brinca.

 

Ter filhos gêmeos já é ter que adquirir muitos itens em dobro. Essa imagem mostra bem o que é ter filhos trigêmeos:

Sala da casa da Cristina com itens dos trigêmeos Júlia, Lucas e Pedro.

Sobre a relação dos trigêmeos, ela se derrete com a união entre os irmãos, que brigam e se protegem ao mesmo tempo. “Parece que têm superpoderes quando estão os três juntos”, conta. “A gente pensa que, como são três, um deles pode ficar deslocado, mas não. Eles se entendem de uma maneira que o terceiro sabe que aquele momento é dos outros dois, e que logo será o momento dele também”, explica.

Camas dos trigêmeos Júlia, Lucas e Pedro.

E quando a mãe de gêmeos precisa voltar ao trabalho? Clique aqui e veja o vídeo da Júlia Sutoff falando sobre o retorno da licença maternidade.